Lastest News

Tudo sobre o Ibiraquera Wave Contest 2017

Ibiraquera Wave Contest,  encerra circuito brasileiro com show de SUP Wave, Wind wave, Kite Wave e consagra o primeiro campeão brasileiro de SUP wave Foil do mundo.

Ibiraquera Wave Contest, encerra circuito brasileiro com show de SUP Wave, Wind wave, Kite Wave e consagra o primeiro campeão brasileiro de SUP wave Foil do mundo.

Após cinco dias de disputas intensas chegou ao fim neste domingo (26) o campeonato de wind, kite e SUP, mais tradicional da América do sul. O evento valeu como a última e decisiva etapa do circuito brasileiro de SUP Wave, como o campeonato brasileiro de Windsurf Wave, o Brasil open de KiteWave e como o primeiro campeonato nacional de SUP wave foil do mundo. Tudo aqui mesmo em Imbituba território da APA da Baleia Franca.
De quebra, ainda durante o final de semana promoveu paralelamente o catarinense de Windsurf Slalom. Um recorde absoluto de competições simultâneas no mundo dos boardsports.
A competição foi contemplada pela natureza e contou com condições excepcionais para todas as modalidades. Ondas, ventos, e atletas renomados possibilitaram um verdadeiro show de SUP, Windsurf, Kitesurf e Foil.

No SUP wave, foi decidido o titulo das categorias; Amador Open, Junior, Super Master, Master Pro e profissional.
No profissional, as meninas foram as primeiras entrar na água. Em uma final de alto nível, novos nomes da cena profissional mostraram que uma renovação está em curso entre as mulheres do stand up brazuca: Larissa Barbierie (SC – 2º), Fernanda Freitas (RJ – 3º) e Carol Farias Cardoso (RS – 4º) surfaram com desenvoltura as boas ondas de Ibiraquera, mas Aline Adisaka (SP) confirmou seu favoritismo e conquistou a primeira colocação. Resultado que lhe garantiu seu terceiro título brasileiro de SUP Wave.
Em seguida, foi a vez do profissional masculino. Caio Vaz (RJ) e Leco Salazar (SP), que estavam na briga pelo título, Adriano Trinca Ferro (SC) e Wellington Reis (SP), completaram a bateria decisiva.

Wellington começou forte a bateria, pontuando um 8.50, enquanto Caio e Leco responderam com um 7 e um 8, respectivamente. Adriano Trica ferro demorou um pouco mais para encontrar seu ritmo na bateria fazendo scores baixos, enquanto a briga entre Caio e Leco foi se acentuando.
Nesse momento Wellington Reis, que seguia liderando a bateria, encontrou uma boa esquerda e simplesmente destruiu a onda, aplicando uma grande variação de manobras fortes e potentes, fazendo u m 9.5 para o delírio da galera. Com respeitáveis 18.50 pontos (de um total de 20), Reis colocou os demais adversários em combinação, o que deixou ainda mais incrível a disputa.

Nesse momento, Adriano trinca Ferro encontrou boas ondas e se aproximou de Caio e Leco. Mas o tempo corria e após um 8 de Caio, a situação da bateria mante-se a mesma até o final, com Wellington em primeiro, Caio Vaz em segundo, Leco Salazar em terceiro e Adriano Trinca Ferro em quarto.
Com esse resultado Caio Vaz conquistou o segundo título brasileiro de sua carreira.

O primeiro campeonato nacional da história do Foilboard, em uma final inédita foi vencido por Fernando Novaes Mizi (SP). Este foi o primeiro campeonato nacional de SUP Foil do mundo, e é o início de uma modalidade muito promissora.

O Brasileiro de Windsurf Wave, modalidade que deu origem ao IWC, foi vencido pelo cearense Levi Lenz, seguido do Francês Yan Rifle e em terceiro um dos maiores nomes da competição Wilhelm Schurmann que deu um break nos projetos da família para participar do evento.

No Kitesurf Brasil Open Pro, que contou também com atletas de todo o Brasil, quem subiu ao lugar mais alto do pódio dessa vez, foi o talentoso carioca Felipe Ferreira. Na segunda colocação ficou o catarinense Gonzaga Junior. Completando o pódio, empatados na terceira colocação, ficou Pedro Matos -RJ e Roberto V. Nascimento – BA.
Após o coquetel oferecido pelo Live Ibira Lounge, seguido de entrega de prêmios com a presença de muita gente bonita e verdadeiras lendas dos esportes de prancha, como os campeões mundiais: Wilhelm Shurmann (windsurf), Leco Salazar e Caio Vaz (SUP wave), Guilly Brandão (Kite wave) as competições do catarinense de Windsurf Slalom ainda se estenderam pelo domingo e o notório catarinense Wilhelm Schurman literalmente voou sobre as águas da Lagoa de Ibiraquera, ganhando todas as regatas da competição.

Encerrando essa que foi a 23º com sucesso absoluto, a organização do IWC agradece a todos os atletas, staff, mídia, aos patrocinadores e apoios; Live Ibira Lounge, ISSO Wind Xtreme, Hookipa Excellence Club, Floripa Fin, ANURAG Construtora, ACIM núcleo Barra Ibiraquera, SNet Telecom Imbituba, Morlima Filmes  e ao especial ao empenho da ASI, Diretoria de Esportes de Imbituba, Secretaria de Cultura por topo comprometimento com o esporte, união e suporte prestado
Para saber os resultados completos de todas as categorias da competição viste: http://ibiraquerawavecontest.com.br/wp/live/.

Mais fotos do evento: https://www.facebook.com/iwc.ibiraquera

Para conhecer o trabalho das entidades nacionais envolvidas e homologações dos resultados visite:
Confederação Brasileira de Stand Up Paddle: http://cbsup.com.br/
Associação Brasileira de Windsurf: http://abws.org.br/

Abraços a todos e até 2018,
Ivan Floater

Floripa Fin firma parceria com o IWC-2017

Floripa Fin firma parceria com o IWC-2017

Floripa Fin firma parceria com o IWC-2017
Floripa Fin foi criada em meados de 2006 pelo velejador Sergey para manufaturar quilhas para KiteSurf.
Em janeiro de 2007 iniciou a fabricação de quilhas para WindSurf e Surf e passou a atender esportistas e fabricantes de pranchas em todo Brasil.
Localizada na cidade de Florianópolis, Ilha de Santa Catarina, considerado um dos melhores locais do mundo para a prática de esportes náuticos, Sergey uniu o útil ao agradável, seu conhecimento prático no iatismo e formação tecnológica para desenhar, shapear e testar as quilhas.
Utilizando softwares de última geração, tecnologia prepreg / CNC e fino acabamento manual, as quilhas Floripa Fin proporcionam desempenho, dirigibilidade e manobrabilidade para os amantes de esportes com prancha.
As quilhas Floripa Fin são testadas por Sergey e profissionais de destaque para serem competitivas no mercado nacional e global.
As quilhas Floripa Fin querem te conquistar dentro d’água!!!
Bons ventos

Floripa Fin foi criada em meados de 2006 pelo velejador Sergey para manufaturar quilhas para KiteSurf.Em janeiro de 2007 iniciou a fabricação de quilhas para WindSurf e Surf e passou a atender esportistas e fabricantes de pranchas em todo Brasil.Localizada na cidade de Florianópolis, Ilha de Santa Catarina, considerado um dos melhores locais do mundo para a prática de esportes náuticos, Sergey uniu o útil ao agradável, seu conhecimento prático no iatismo e formação tecnológica para desenhar, shapear e testar as quilhas.Utilizando softwares de última geração, tecnologia prepreg / CNC e fino acabamento manual, as quilhas Floripa Fin proporcionam desempenho, dirigibilidade e manobrabilidade para os amantes de esportes com prancha.As quilhas Floripa Fin são testadas por Sergey e profissionais de destaque para serem competitivas no mercado nacional e global.As quilhas Floripa Fin querem te conquistar dentro d’água!!!Bons ventos

A ISSO Wind Extreme é a mais nova parceira do IWC

A ISSO Wind Extreme é a mais nova parceira do IWC

ISSO Wind Xtreme é a mais nova grande parceira do IWC 2017!

Com o patrocinio de ISSO, o IWC ganha força adicional e além do Brasileiro de Wind Wave, irá também promover o Catarinense de Slalom.

Conheça um pouco sobre a empresa que promete revolucionar o esporte:

A ISSO é uma empresa Catarinense criada em 2016 com o foco na náutica. O principal setor da indústria é o da capotaria náutica e aeronáutica. Capotas para todos os tipos de lanchas, toldos, fechamento de convés e outros acessórios em lona marítima.

Outro segmento é o de velas para barcos de cruzeiro e regatas, com designer experiente, softwer específico e material adequado para cada uso.

Ainda nas velas, a ISSO vem se dedicando ao windsurf e lançará no próximo mês sua coleção de velas para slalom, freerace, freeride e wave, além da linha escola, infantil e juvenil.

As velas vão atender os iniciantes no esporte, os que velejam por prazer e os competidores. O objetivo é oferecer um excelente produto o a um preço competitivo.

Mais de 1.200 horas já foram dedicadas aos projetos das velas, desenvolvimento, costura e testes. Um investimento significativo foi realizado nos maquinários, mesa corte a vácuo, plotter,  scanner e softwers auxiliam em muito para um resultado final desejado.

Ao mesmo tempo, a ISSO vem se dedicando na construção de suas pranchas, cujo objetivo será uma prancha “plug in play” para atender sua linha de velas de “prazer”. Uma prancha que poderá ser utilizada pelo aluno, iniciante ou simplesmente para o velejador de fim de semana. Outros projetos, com mais ousadia, também estão sendo testados pela ISSO, como a “pepper”, sua prancha de puro carbono para slalon.

Na linha de produtos ainda constam ítens como puxão, trapézio, quilhas, foil, capas de pranchas e muitos outros.

O lançamento oficial para o público está sendo reservado até que se conclua todos os testes e protocolos necessários de seus produtos. Logo, os adeptos desse esporte terão uma opção nacional para velejar.

A equipe de trabalho da ISSO é composta por Renato Hadlich, administrador; Tiago Pereira,  engenheiro mecânico; Pablo Furlan, sailmaker; Aquiles Thor, construtor naval; Jean Shinzato, engenheiro naval; Pedro Machado, designer e parcerias com empresas nacionais e estrangeiras como: Cadorin; Oyapoc; Hydreco; Challenger e Dimension – Polyant, Sailcloth Producer.

Page 1 of 2112345»1020...Last »